Quarta-feira, 1 de Novembro de 2006

CRÓNICA DO JORNAL "EXPRESSO" ( OUT 98 )

 

 

De facto o mundo dá muitas voltas... o artigo que se segue serve de reflexão...

 

Boavista à beira do sonho!!

 

 

Muito poucas vezes na sua história o Boavista tirou tanto proveito das suas camisolas como este ano: vestidos de xadrez, os boavisteiros têm-se especializado em «xeques-mates» aos adversários e passeiam-se olhando para debaixo de si com o FC Porto e Sporting a dois pontos e com o Benfica a nada menos que do que sete. 

             Quando, nos anos que antecederam imediatamente o 25 de Abril, homens como Pinto de Sousa, Mexia Alves e, já, Valentim Loureiro idealizaram um clube com elites a dirigi-lo - como fosse gente com capacidade financeira - talvez não sonhassem que o Boavista ascendesse a um lugar que se pode considerar de «quarto» grande português. 

                O golpe de estado de 1974 poderá ter atrapalhado este projecto. Deu-se, contudo, na altura em que a equipa do Bessa começou os seus anos de oiro, como José Maria Pedroto à frente de uma equipa técnica profissional. Bastaram cinco anos desde que ascenderam definitivamente à I Divisão (1969) para os homens que têm o xadrez alvinegro nas suas camisolas desafiarem o poder instituído no desporto nacional, à época repartido apenas entre Benfica e Sporting. Não conseguiram ser campeões nacionais, mas estiveram perto disso. O nome do Benfica ainda tinha, então, muito peso e no Bessa a conquista do título esmoreceu às mãos - mais correctamente, aos pés - dos jogadores da Luz. Desde então o Boavista afirmou-se. Hoje, a Imprensa desportiva, e não só ela, já vai dizendo: «Temos candidato!» Teremos?

                «Em termos conjunturais, admito que o Boavista, o Guimarães, outros clubes mesmo, possam ser campeões. Mas em termos estruturais, não! É preciso criar estruturas para podermos competir. É isso que estamos a fazer», responde o presidente João Loureiro, sucessor directo de outro Loureiro, Valentim - seu pai -, que deu ao clube a estabilidade económica que lhe permitiu impor-se no quadro do futebol português.

                Clube «exportador» de alguns dos seus melhores jogadores, o Boavista - que pode assim ficar momentaneamente enfraquecido no âmbito da competitividade desportiva - tem, com essa estratégia, conseguido uma gestão equilibrada. Há poucos anos atrás, a cedência de três atletas - Nuno Gomes, Jimmy e Sanchez - rendeu ao clube a quantia de 1,2 milhões de contos, ainda não totalmente liquidados. Esse dinheiro pôde ser investido no projecto imobiliário, a Vila Bessa, que está agora a dar proveitos que, por sua vez, são reinvestidos no complexo desportivo «Bessa – Século XXI». Um orçamento anual de 850 mil contos para o futebol não é suportado pelas receitas ordinárias. Daí o recurso à «exportação» para poder manter uma equipa equilibrada.

                O que o Boavista ganha em dinheiro não se traduz em aumento acentuado do número de sócios, que anda pelos 25 mil, dos quais apenas dez mil pagantes. O clube da zona ocidental da cidade do Porto é, assim, uma espécie de clube «sanduíche», ladeado pelo «grande» da cidade, o FC Porto, e pelo popular Salgueiros, da zona urbana oriental. Crescer não é tarefa muito simples.

                João Loureiro tem uma fórmula - chame-se-lhe desta forma - que pode ajudar a resolver a situação. Diz que há portuenses que gostam de equipas designadas de «grandes» mas não são adeptos do FC Porto. «É chegada a altura de esses portuenses se reverem noutro clube da cidade. Esse clube pode ser o Boavista». Mercê de algumas estruturas que criou - como as da ginástica e do ténis, por exemplo -, o clube a que João Loureiro preside foi conquistando sócios que tinham no coração outra colectividade desportiva e para quem ao Boavista fica reservado apenas um simpático segundo lugar nas preferências. «Mas noto que o clube conquista já sócios que são apenas do Boavista, a quem eu chamo de associados 'puros e duros'», confia Loureiro.

                Há um longo caminho a percorrer - e de difícil resolução - para que o clube chegue à situação de poder crescer lado a lado com o FC Porto, que ainda for cima se vem afirmando como a equipa número um do futebol português. Como o clube das Antas faz jus a essa invejável circunstância, resta pouco do orgulho portuense para Boavista e Salgueiros repartirem entre si. E, todavia, também a agremiação enraizada na freguesia de Paranhos se vem desenvolvendo.

                Poderá ser que as circunstâncias portuenses desenvolvam no Bessa a consciência de que é preciso não parar no tempo, que a concorrência é forte. Quando o complexo desportivo foi pensado, há dez anos, os desportos radicais eram bebés de fraldas, em Portugal. Também eles cresceram e vão ter o seu próprio «subcomplexo» no complexo do Bessa. «Isso era impensável, então - realça João Loureiro -, e aí está um exemplo de um contributo que eu possa ter dado ao clube». 

                É João um Valentim «Júnior», ou conseguiu libertar-se da sombra tutelar do pai, o homem que marcou de forma quase indelével este clube? João Loureiro considera ter um estilo mais «low-profile» que Valentim, mas admite seguir princípios - nomeadamente de gestão - que o seu pai desenvolveu. Todavia, pensa ter trazido um «apport», de que deu como exemplo avulso a criação do subcomplexo «radical». Com dois anos mais de mandato como presidente, João Loureiro pensa que é chegada a altura de estudarem as conveniências ou inconveniências de uma Sociedade Desportiva. Mas é muito cauteloso nesta matéria. Tão cauteloso quanto se trate de assumir a postura de candidato ao título por parte do Boavista.

                Nisso, o clube é o Celta português (ou o Celta será o Boavista espanhol, como se preferir). Até agora sem derrotas no campeonato, será mesmo capaz de saborear o ceptro que lhe falta, conquistadas que já estão cinco Taças de Portugal e três Supertaças? No final do encontro que no passado domingo disputou com o Sporting, o treinador Jaime Pacheco não escondia o seu desencanto e desagrado: «Estão a ver porque não nos assumimos como candidatos? Parece que há quem queira que sejam os mesmos sempre a ganhar». Referia-se implicitamente a uma arbitragem que os boavisteiros consideraram um pouco desastrosa para os interesses do clube, com destaque para a facto da não validação de um golo legal. Também neste particular Boavista e Celta se assemelham e fazem coro nas críticas à protecção dos «poderosos», cá e lá.

                O que falta, então, para que os adeptos do Bessa possam saborear o título mais desejado? «O que falta é uma evidência», garante João Loureiro, e essa evidência é sempre a falta de estruturas. Nas actuais condições afirmam-se apenas candidatos a um lugar que dê acesso às provas europeias, o que permitirá trazer à cidade do Porto mais algumas boas equipas do futebol europeu.

                Com o Porto-cidade a relação é, por vezes, menos boa. João Loureiro diz-se mesmo «aborrecido» por nem sempre o Boavista ser entendido como um clube do Porto. Os apoios oficiais são menores, garante o presidente; apesar dessas vicissitudes, assume-se como equipa portuense a cem por cento, afirmando que o «ideal» seria - independentemente da ordem - que Boavista, FC Porto e Salgueiros ocupasse (sempre) os três primeiros lugares da classificação no campeonato português de futebol. «O nosso discurso é mais abrangente do que outros e isto não é uma crítica a ninguém. Mas nós identificamo-nos com o portuense: aguerrido, individualista, liberal e trabalhador. E identificamo-nos tanto que construímos aquilo que somos sem grandes apoios exteriores. Os terrenos que temos foram comprados pelos nossos próprios meios». 

                A um ano do 30º aniversário de presença ininterrupta na divisão principal do futebol nacional, o Boavista vive um momento que, se não é único, é pelo menos pouco frequente no seu historial. O futebol que pratica é a imagem do seu treinador, Jaime Pacheco. Ele que, quando jogador, foi o Coluna dos anos 80, um homem que enchia o meio campo com a sua tenacidade, qualidade de jogo, capacidade de entrega. Talvez a explicação para um inesperado primeiro lugar resida no facto de o Boavista se revelar tenaz, de qualidade, lutador, sem medo de no estádio alheio procurar a vitória - como aconteceu nas Antas - em desfavor de um modo muito português de guardar ciosamente um empate que, não raras vezes, redunda em derrota.


publicado por PNvelhaguarda às 04:19
| Dá o teu bitaite

Pesquisar neste blog

 

Visitas

Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Sempre Presente

últ. comentários

Em cima, da esquerda para a direita: Granja; Alcin...
Não deixa de ser uma grande equipa, espero que o m...
E quem ganhou o II Torneio Ibérico? FCPorto. Grand...
O 4º e o 5º, em pé, a contar da esquerda, são, res...
Grande equipa! Em cima, da esquerda para a direita...
O I TORNEIO IBÉRICO DE FUTEBOL JUNIOR ocorreu no a...
Esta equipa do Boavista F. C. é da época de 1954-5...
Boavista F. C. - Época de 1964-65
Esta equipa do Boavista F. C. não é dos anos 40! É...
Gostei bastante de ler este blog... e que tal uma ...

PN Bitaites


Links

Arquivos

Setembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Desde 21/01/08

Web Statistics

subscrever feeds

eXTReMe Tracker