Quarta-feira, 15 de Dezembro de 2010

BOAVISTA FC Vs UNIÃO TOMAR ( ÉPOCA 73/74 )

 

imgp8681

 

Estádio do Bessa, no Porto

Árbitro – Ismael Baltasar, de Setúbal

 

BOAVISTA FC – Vitor Cabral (2); Bernardo da Velha (1), Mário João (2), Barbosa (2) e Lobo (3); Branco (3), Taí (3) e Acácio (3); Moinhos (3), Moura, «capitão» (1) e Salvador (2)

 

U. TOMAR – Nascimento (2); Faustino (2); Kiki (1), Cardoso (1), Raul (1) (45m – Bolota (2)) e Fernandes (1); Pavão (2), Raul Águas (2) e Manuel José, «capitão» (1); Camolas (1) e José do Carmo (1) (62m – Caetano (1)

 

1-0 – Moinhos – 27m
2-0 – Moinhos – 33m
2-1 – Bolota – 52m
3-1 – Moinhos – 68m

 

«Substituições: duas apenas, ambas efectuadas pelo União de Tomar e ambas no segundo tempo. A primeira, quando a equipa regressou da cabina, saindo Raul e entrando Bolota (2), a segunda aos 17 minutos, saindo José do Carmo e entrando Caetano (1).

Resultado do primeiro tempo: 2-0.

1-0 aos 27 minutos, por Moinhos. Golo bem preparado, com a bola a correr de Moinhos para Acácio e deste para Salvador. Salvador embrulhou-se com [o] esférico, mas acabou por o empurrar para a baliza. Acorreu um defensor, mas Moinhos mais lesto, foi quem veio a empurrar a bola para o golo.

2-0 aos 33 minutos, por Moinhos. Moinhos foi lançado que correu com a bola, flectiu para dentro, passando por entre dois defesas e quando Nascimento se adiantou, com um toque suave, bateu o guardião contrário.

Resultado do segundo tempo: 1-1.

2-1 aos 7 minutos, por Bolota. Pavão, depois de ser lançado, efectuou um centro do lado direito. Camolas, na passada, tocou o esférico para Bolota e este, com um toque ligeiro, alcançou o tento.

3-1 aos 23 minutos, novamente por Moinhos. Branco recebeu o esférico de Acácio e lançou Moinhos, o qual, isolado pelo passe do companheiro, rematou forte, da direita para a esquerda, obtendo o seu terceiro golo e fixando o resultado da partida.

 

29-boavista-ut

 

Em situação delicada na tabela da classificação, a equipa do União de Tomar tingiu de cautelas o começo da partida que ontem disputou, contra o Boavista, no Estádio do Bessa. Com Faustino jogando liberto de marcação a qualquer adversário, entre Nascimento e quatro defesas, e Raul Águas no miolo do campo, para se meter entre Camolas e João do Carmo, os dois jogando junto das linhas laterais, bem abertos, a clara intenção do processo nabantino era a de impedir o golo adversário, procurando chegar a ele em contra-ataques rápidos. O caso, porém, é que o «onze» forasteiro não passou da intenção, sem embargo de chegar quase à meia-hora com o resultado inicial, a despeito do domínio territorial «axadrezado», de antemão oferecido pelo antagonista, que fechara, todavia, todos os caminhos que poderiam levar até à baliza de Nascimento.

Na equipa da casa, Acácio foi então quem mais lutou para vencer a tenacidade defensiva dos visitantes, adiantando-se pelo seu corredor ou metendo-se para dentro, mas toda a sua lúcida actuação acabou por fracassar antes do remate final ou já neste, transviado em demasia.

Com o Boavista ao ataque, não surgiram, também, ensejos para o contra ataque adversário, lento em demasia a passar das suas cautelas defensivas para um contra-ataque que, sem rapidez, não lograva fazer oscilar a defensiva local onde o poder atlético de Mário João e de Barbosa ganhava os lances sem dificuldade.

Durante mais de vinte minutos, o futebol praticado foi pobre, sem emoção e sem beleza, pese embora toda a acção de Acácio, vivo e azougado, pisando bem o terreno, reagindo francamente ao ataque.

De repente, porém, o Boavista carregou no acelerador e deu cabo da sistematizada e reforçada defesa de Tomar. Aos golpes de Acácio juntou-se a velocidade de Moinhos e a isso ainda se somou a boa visão dos lances por parte de Branco, que sabe de sobra como enfunar as velas de Moinhos, pondo-lhe a bola a correr na sua frente.

Moinhos iniciou o lance do primeiro golo, que depois de ter estado à vista parecia já impossível. Mas a sua velocidade de pernas permitiu-lhe ir ainda aproveitar o lance e marcar o tento.

Subiu claramente o Boavista, mais rápido, mais versátil e de muito maior imaginação. Acácio perdeu o segundo golo, concluindo com um remate ao lado uma jogada toda ela feita ao primeiro toque. Mas o novo tento tardou pouco. Branco lançou Moinhos e este, em corrida e com a bola controlada, na sua jogada típica, passou por dentro do central que o marcava e por fora o companheiro que dobrava o defesa batido, culminando o seu vertiginoso «slalon» com um toque pleno de subtileza, quando Nascimento se adiantava desesperadamente para a tentativa de defesa, que não resultou.

Ainda houve outro lance de golo, quando um corte de Barbosa levou o esférico a Salvador. O cruzamento deste levou a bola a Moinhos, que passou Nascimento, de novo a adiantar-se, tocando o esférico para dentro mas de forma a bater na base do poste mais próximo, precisamente ao lado de fora.

Embora adiados, os golos do Boavista acabaram por aparecer, não surgindo, porém, qualquer contra-ataque perigoso do União de Tomar, que o conduzisse ao golo ou pelo menos a situação de apuro para a baliza de Vitor Cabral.

Daí que os forasteiros regressassem para o segundo tempo com outro sistema, assente em menos cautelas defensivas e visando já um maior poder atacante. A saída de Raul levou Faustino para o grupo dos quatro defesas e a entrada de Bolota deu outra dimensão ao ataque, acompanhada também pelo avanço de Pavão no lado direito.

Daqui resultou um despique mais amplo, já a todo o comprimento do terreno e não só em metade do campo, como sucedera inicialmente. E como o «onze» visitante cedo chegou ao golo, aliás em lance bem esquematizado, com solicitação ao extremo, centro recuado deste e toque de Camolas para a frente, apanhando a defesa nos dois golpes, sempre em contra-pé, a partida ganhou outro interesse.

Todavia, a superioridade do Boavista não chegou sequer a ser posta em dúvida, a despeito deste perder, de imediato, dois golos. No primeiro lance, a bola foi a Branco e o centro, com o esférico rente à relva, chegou a Moura, o qual, a dois metros da baliza, e com o pé de dentro acabou por levantar excessivamente o esférico. No segundo, perdeu-se o que era capaz de ter sido o mais espectacular dos golos do encontro. Acácio, com Moinhos a internar-se a solicitar o passe, pôs-lhe a bola a correr à frente. Passado o defesa, na corrida, e driblando Nascimento, que se adiantara, o remate de Moinhos veio a sair ao ladinho do poste, com a baliza desguarnecida.

O terceiro golo apareceu mais tarde, aliás com naturalidade. Branco «viu» outra vez o lance mais aconselhável e pôs o esférico em Moinhos, isolando-o na área. Desta feita, Moinhos não perdoou e fez o seu terceiro golo.

O vencedor estava achado, aliás com todo o mérito. A solidez defensiva, assente na autoridade de Mário João e Barbosa, começara por justificar mais merecido e mais meritório ainda em função de toda a tarefa catalizadora de Branco, Taí e Acácio, um meio-campo hábil, talentoso, sempre em movimento, que se fartou de empurrar o ataque, onde Moura andou um pouco perdido e Salvador não conseguiu atingir o nível habitual. Moinhos, porém, marcou por todos, ainda que tivesse a ficado a dever golos a si próprio.

É certo que, à entrada do quarto de hora final, na sequência de um desentendimento da defesa contrária, Bolota acabou por ficar só diante da baliza, apenas com Vitor Cabral na sua frente. O remate fez subir por demais o esférico e a hipótese dos 3-2, claríssima, veio a perder-se, perdendo-se também, por certo, um final mais emotivo. Mas nos nabantinos, sem força de ânimo para superar as contrariedades, vencidos já por toda uma série de maus resultados anteriores, a que se juntava em definitivo a derrota evidentemente, ficou ainda a coragem para lutar, lutar sempre, com afinco e determinação mas sem a convicção que resultaria de uma situação mais tranquila na tabela da classificação.

Não houve outra hipótese de golo, com o Boavista a actuar já em jeito de tranquilidade e o adversário a lutar «à pressão», aplicado mas sem serenidade e também sem forças.

Assentou a acção mais certa dos vencedores no meio-campo, através do qual Mário João e Barbosa foram quase impecáveis, e à frente dos quais Moinhos foi simplesmente demolidor.

Nos vencidos, a acção de Pavão e Bolota esteve na base dos melhores lances ofensivos do segundo tempo, que foi o período em que Tomar atacou de facto.

Certa e facilitada pela correcção da luta, a arbitragem de Ismael Baltasar, que não teve qualquer problema durante toda a partida.»

 

(“A Bola”, 04.06.1973 – Crónica de Álvaro Braga)

 


publicado por PNvelhaguarda às 13:07
| Dá o teu bitaite
1 comentário:
De Vitor do Poste a 15 de Dezembro de 2010 às 23:23
Foda-se! Não sabia que o Capitão Moura jogou no Boavista??

É por isso que há mafía....


Comentar post

Pesquisar neste blog

 

Visitas

Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Sempre Presente

últ. comentários

Em cima, da esquerda para a direita: Granja; Alcin...
Não deixa de ser uma grande equipa, espero que o m...
E quem ganhou o II Torneio Ibérico? FCPorto. Grand...
O 4º e o 5º, em pé, a contar da esquerda, são, res...
Grande equipa! Em cima, da esquerda para a direita...
O I TORNEIO IBÉRICO DE FUTEBOL JUNIOR ocorreu no a...
Esta equipa do Boavista F. C. é da época de 1954-5...
Boavista F. C. - Época de 1964-65
Esta equipa do Boavista F. C. não é dos anos 40! É...
Gostei bastante de ler este blog... e que tal uma ...

PN Bitaites


Links

Arquivos

Setembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Desde 21/01/08

Web Statistics

subscrever feeds

eXTReMe Tracker